COMPRO MATERIAL DA FEB: JULIOZARY1997@GMAIL.COM

segunda-feira, 30 de setembro de 2013


Enviado por Rodrigo Lameira.

domingo, 29 de setembro de 2013

A POLÍCIA DO EXÉRCITO NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

A fase preparatória

Com a necessidade de se organizar uma Divisão de Infantaria, aos moldes americanos, um pelotão de Polícia Militar (Military Police) deveria ser criado.

Este tinha como missão: manutenção da ordem e da disciplina nos estacionamentos (marchas, bivaques, acampamentos e acantonamentos); disciplina no tráfego das estradas; guarda aos QG; vigilância de pontos críticos, como pontes; vigilância de brechas entre as unidades; guarda de prisioneiros e de seu transporte; balizamento de estradas, etc.

O treinamento foi realizado a partir de março de 1944, no Campo de Instrução de Gericinó. A formação foi realizada no 3 Regimento de Infantaria, sendo organizado em duas seções, uma de tráfego e outra de polícia. O Comandante do Pelotão tinha, também, o encargo de Inspetor de Tráfego.

Tendo em vista o desconhecimento, nas fileiras do Exército, sobre questões policiais, pensou-se em aproveitar alguma corporação distinta. Assim, ao núcleo original de 19 homens do Exército, se juntaram 44 voluntários oriundos da Guarda Civil de São Paulo.

O Pelotão de Polícia Militar da FEB estava sediado, provisoriamente, na Rua São Francisco Xavier, em anexo ao QG da DIE.

A atuação na Itália

O Pelotão foi para a Itália junto ao 1 escalão, sendo comandado pelo Tenente José Sabino Maciel Monteiro (o qual já temos um artigo aqui). 

O Pelotão de PM podia ser caracterizado por seus distintivos (garruchas cruzadas na gola), o capacete MP e o braçal, representando a autoridade.

Em abril de 1945, o Pelotão teve seu efetivo elevado, alçando a categoria de Companhia. Por seu íntimo envolvimento no conflito, o Pelotão MP teve duas perdas em combate: os soldados Paulo Emydio Pereira e Clóvis Rosa da Silva.

Fonte: PINTO JUNIOR, DOMINGOS VENTURA et all. A Polícia do Exército Brasileiro. Porto Alegre: Genesis, 2001.


Enviado por: Fabio Linhares.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

LA LINEA GOTICA - ITÁLIA

La Linea Gotica é uma Associação fundada em 2010, por vontade de um grupo de estudiosos, pesquisadores e entusiastas de temas históricos relacionados com a II Guerra Mundial na Itália e, em particular, os acontecimentos da Linha Gótica, ocorridos entre o verão de 1944 e a primavera de 1945, na parte da frente da Toscana, Marche e Emilia-Romagna.

Para quem quiser mais informações, em italiano ou inglês, acesse: http://www.lineagotica.eu/index.php

Link sobre a FEB: http://www.lineagotica.eu/news.php?id=10

Link sobre o Museu de Iola: http://www.lineagotica.eu/news.php?id=126

Link sobre o Museu de Montese: http://www.lineagotica.eu/news.php?id=125


domingo, 1 de setembro de 2013

OS TELEGRAMAS DA FEB

Esses pedaços de papel eram muito desejados, tanto pelos febianos, quanto por suas famílias, aqui no Brasil. Apesar de poderem ter apenas mensagens curtas, eles chegavam muito mais rápido ao destinatário. Porém, oomo eram relativamente caros, geralmente apenas Oficiais e Sargentos mandavam esse tipo de notícia. Os soldados preferiam as boas e velhas cartas, que apesar de passarem pela censura, poderiam conter muito mais notícias.

Basicamente duas empresas fizeram o envio desses telegramas. Parace que, inicialmente, até meados de novembro de 1944, os telegramas eram enviados pela RADIOBRAS. A partir daquela data, os telegramas eram enviados pela WSTERN TELEGRAPH COMPANY, até o final da guerra.

Seguem dois modelos diferentes de telegramas, enviados pelo mesmo febiano, sendo o primeiro em 44  e o segundo em 45.