COMPRO MATERIAL DA FEB: JULIOZARY1997@GMAIL.COM

domingo, 29 de maio de 2011

MEDALHA SOUVENIR ALIADOS EM ROMA

Apresentamos mais uma versão de medalha souvenir italiana trazida por pracinhas. Esta é mais uma trazida de Roma. Muitos e muitos pracinhas visitaram esta localidade nos raros momentos de folga do front, que giraram em torno de 8 dias por militar.

Antes da apresentação da medalha em si, vamos a um pequeno histórico da queda de Roma:

A 1° de junho, um oficial de ligação do 8o Exército se apresentou no Posto-de-Comando do General Mark Wayne Clark e lhe comunicou que se o 5o Exército estava em condições de tomar Roma sem o ajuda do 8o Exército, então este prosseguisse os seus ataques para o norte da capital da Itália. Clark aceitou imediatamente, sem objeções. O 5o Exército, a esta altura dos acontecimentos, se preparava para um ataque devastador. Por volta de 30 de maio, o General Keyes transferira as operações na zona do 2o Corpo ao 4o Corpo, recentemente criado e sob as ordens do General Crittenberger. Keyes, por seu turno, se encarregaria das ações no setor de Artena, entre os montes Albanos e Valmontone. Conversações posteriores entre Clark e Alexander esclareceram e deixaram bem definida a situação referente à captura de Roma. Quando a capital da Itália caísse em poder dos combatentes aliados, se daria publicidade a um comunicado que esclareceria, sem sombra de dúvidas, que "as tropas do 5o Exército penetraram na capital italiana". Conforme disse Clark, posteriormente, "para os homens do 5o Exército, e para mim mesmo, isso era mais importante do que poderia parecer e o acordo a que chegamos me deixou bastante satisfeito. Agora, tudo o que temos a fazer é chegar a Roma e capturá-la". A 2 de junho, a 36a Divisão penetrou profundamente na retaguarda de Velletri, que caiu em mãos dos seus efetivos. Em seguida, a 36a prosseguiu o avanço até chegar às imediações do lago Albano. Paralelamente, o 2o Corpo, composto pelo 3a Divisão, pela Força de Serviços Especiais e pelas divisões 85a e 88a, cortou a rota N° 6 e arrasou as defesas alemães em Valmontone, estabelecendo contato com os franceses em Colle Ferro.

Por volta de 3 de junho, a primeira visão direta do derrota alemã apareceu aos combatentes aliados. De fato, os estradas se encontravam atulhadas de veículos destroçados e tanques incendiados. Inúmeros cadáveres de soldados alemães presenciavam, também, o avanço das forças aliadas.

No dia 4 de junho Roma estava liberada...





A medalha apresenta, de um lado, a Basílica de São Pedro e o Coliseu romano, encimados pela data 4 de junho de 1944, data da liberação, e ainda cincundados pela expressão: na luta pela liberdade os aliados libertaram Roma. Do outro lado, as bandeiras dos Estados Unidos, da Grã-Bretanha e da França, circudados pela expressão liberdade, democracia e prosperidade.

Segue uma foto atual do Coliseu, ou também conhecido como Anfiteatro Flavio.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

HÁ MUITO TEMPO ATRÁS, NUM PAÍS MUITO, MUITO DISTANTE....

Esta é uma notícia muito diferente das que estamos acostumados a ver por aqui. Parodiando o início da trilogia STARWARS, anunciamos a confecção do primeiro HQ da FEB, a ser lançado ainda este ano, no Brasil.

Para quem não sabe, os HQ são os gibis modernos, com desenhos e formato de qualidade superior, além de roteiros muito bem elaborados, os quais surpreendem aqueles que os lêem.

O nome do desenhista é Tom Garcia. Ele não é desenhista profissional e nunca estudou isso, nem com professor, tendo aprendido tudo sozinho. Trabalha como operário em uma fábrica no interior de São Paulo. Conheceu um dos roteiristas através de um forum de HQ.

Os roteiristas são Joaquim Ghirotti e o já conhecido Cesar Maximiano.

Como nas histórias escritas por Alan Moore, esperem umas viradas surreais na história.

A seguir, uma amostra de página pronta.



Esta pode ser mais uma forma de se conseguir a atenção do público jovem para este tipo de assunto, gerando maior interesse na nossa história contemporânea.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

SOLDADO MOACIR DE PAULA E SILVA - DEPÓSITO DE PESSOAL DA FEB

O Soldado Moacir de Paula e Silva embarcou para a Itália no dia 8 de fevereiro de 1945, junto ao Centro de Recompletamento de Pessoal. Chegando lá foi designado para o Depósito de Pessoal da FEB, permanecendo até o final do conflito sem entrar em combate.

O soldado Silva, nascido em 1922, recebeu a carta de chamada individual, devendo se apresentar no 13o Batalhão de Infantaria até o dia 27 de novembro de 1942. Já no Depósito, foi designado para ocupar claro na 2a Companhia do 1o Batalhão.



Após a sua apresentação, participou dos treinamentos, os quais foram progressivos desde a declaração de guerra, ocorrida em 22 de agosto do mesmo ano, até o embarque dos escalões da FEB para a Itália.

Já na Itália, entre um treinamento e outro, o soldado Silva mandou e recebeu algumas correspondências. Isso pode ser comprovado pelo documento mostrado abaixo, do Serviço Postal do Depósito de Pessoal da FEB.



Ao terminar a campanha na Europa, vários elogios foram feitos pelos Comandantes nos mais variados níveis, sendo todos eles transcritos nas folhas de alterações dos militares. Abaixo, temos apenas um anexo das folhas das alterações do soldado Silva, que mostra o elogio dado pelo Comandante da FEB.



Por fim, mostramos uma foto tirada na região de Stáffoli, onde o DP/FEB ficara estacionado durante um bom tempo. Na foto, o Sd Silva está utilizando a jaqueta de lã já modificada (mais curta), a calça de lã, o bibico de lã e os combat boots.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

FILME DEDICADO AOS VETERANOS DA SEGUNDA GUERRA

Este vídeo não faz alusão propriamente dita á FEB, mas a todos os veteranos que lutaram pelas Forças Armadas americanas, entre elas o 5o Exército, sob o qual a FEB lutou.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

SOLDADO RAMIS MENDES - MISSED IN ACTION

O Soldado Ramis Mendes pertencia à 2ª Companhia do 1º Batalhão do 11º Regimento de Infantaria - Regimento Tiradentes, de São João Del Rey. Era da Classe de 1921 e embarcou para o além mar em 20 de setembro de 1944. Nascido em Porto União, no Paraná, filho de Alfredo Mendes e Dona Catarina Mendes.

Foi considerado desaparecido em ação (em inglês, Missed in Action - MIA) desde 12 de dezembro de 1944, durante o terceiro ataque ao Monte Castello.

Foi agraciado com as Medalhas de Campanha e a Cruz de Combate de 2ª Classe.

Mostraremos a seguir o diploma do referido militar, que não teve a oportunidade de regressar com seus companheiros para o Brasil durante o translado dos despojos, ocorrido em 1960.

Este diploma nos trás a informação de que os Desaparecidos em ação também fizeram jus à CC2, mostrando um modelo diferente de diploma.







Que Deus olhe por este febiano, que teve como repouso eterno o solo italiano.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

AINDA SOBRE O DIA DA VITÓRIA

Num país sem cultura........

"Em 8 de maio próximo passado, o Mundo comemorou o 64º aniversário do Dia da Vitória na Segunda Guerra Mundial. Cerimônias aconteceram em Moscou, Paris , Londres e Washington. Na França, foi Feriado Nacional.”

No Brasil, a data continua passando "em branco", apesar de ainda ser comemorada no âmbito das Forças Armadas. Sabe-se quem ganhou a final do Campeonato Carioca, mas não sabe-se quem ganhou a guerra, e de que lado estávamos.....

Ficou perdida senão deliberadamente afastada mais uma oportunidade de valorizar atos de honra e patriotismo de alguns dos verdadeiros heróis deste País, e de reabrir, para os mais jovens, algumas das mais importantes páginas da real História do Brasil.

Esqueceram que o Nordeste foi considerado Zona de Guerra. No Recife, chegou-se a exercitar o "blackout" como forma de defesa antiaérea, além de preparativos para atender a eventuais necessidades de emprego de artilharia contra aviões do III Reich.

Esqueceram de que, naquela área marítima, ocorreu o maior número de ataques da Força Submarina Alemã, na América Latina .

Esqueceram dos mortos dos navios BAEPENDY, ARARAQUARA, ANÍBAL BENÉVOLO, ITAGIBA e ARARÁ, afundados logo ao início da guerra pelo U-507, um dos submarinos da Marinha Alemã.

Esqueceram dos bravos marinheiros brasileiros que, durante praticamente todo o período da guerra, navegando dia e noite nos navios denominados caça-submarinos, fizeram a escolta de centenas de comboios, protegendo milhares de navios mercantes aliados através do Atlântico. A ação desses bravos foi decisiva, frustrando os ataques de submarinos alemães. Sem a participação da Marinha, por meio das Forças Navais do Nordeste e do Sul, seria impossível manter o tráfego marítimo e, consequentemente, o transporte de cargas logísticas durante a guerra, diante da enorme ameaça submarina alemã.

O Brasil se esqueceu dos mais de mil marinheiros que tiveram o fundo do mar como última e eterna morada, vítimas que foram dos ataques por torpedos dos "lobos cinzentos", como eram chamados os Submarinos do III Reich.

Esqueceram da Força Expedicionária Brasileira (FEB), que esteve na Itália com mais de 25 mil homens, dos quais 443 mortos e mais de 2 mil feridos. Esqueceram que a FEB lutou contra onze Divisões alemãs e duas italianas.

Esqueceram de que a FEB aprisionou a 148ª Divisão de Infantaria Alemã, totalizando mais de 20 mil prisioneiros, em Fornovo de Taro , norte da Itália.

Esqueceram dos nossos pracinhas mortos nos campos e colinas italianas.

Esqueceram de que o Primeiro Grupo de Caça da FAB foi uma das duas únicas unidades de combate estrangeiras que receberam a Presidential Unit Citation, do Presidente Roosevelt, por bravura em combate.

Esqueceram de que Natal foi considerada o "Trampolim da Vitória" e teve a maior Base Aérea dos EUA fora do território americano e a segunda maior Base Aérea do mundo na Segunda Guerra Mundial, rivalizando com o campo Henderson na ilha de Guadalcanal , no Pacífico, conquistada pelos Fuzileiros Navais americanos no final de 1942.

Esqueceram dos "Senta a Pua", os aviadores brasileiros protagonizantes dos mais arrojados e heróicos feitos na aviação de combate, à época.

Enfim, o Brasil se esqueceu dos seus Marinheiros, dos seus Soldados e dos seus Aviadores!

Esqueceu-se de seus bravos que lutaram pela Democracia no mar, em terra e no ar.

Nota: Texto Irmão Carlos Alberto Fernandes, adaptado pelo autor.

Texto encaminhado por Edgar Fraga Neto.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

HOMENAGEM AO DIA DA VITÓRIA

Ontem, dia 8 de maio de 2011, comemorou-se os 66 anos da Vitória aliada na Europa.

Para comemorar a passagem de tão importante data para aqueles ligados na história militar, em especial a da FEB, colocamos uma imagem bem bacana, que resume a participação brasileira na campanha da Itália.



Que o Brasil não esqueça o que as gerações anteriores passaram anos atrás.