COMPRO MATERIAL DA FEB: JULIOZARY1997@GMAIL.COM

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

FIGURA DE PRACINHA DOADA AO MUSEU DO 2 BIL

Alguns dias atrás apresentamos uma figura montada com inspiração nos nossos pracinhas. Aquela e outros tipos de figuras podem ser montados a gosto do dono, bastando ter paciência e uma dose de criatividade.

Desta vez apresentamos a figura produzida por Marco Antônio Barsotti, e doada ao Museu do 2 BIL, da Baixada Santista, em São Paulo.

Notem que o pracinha apresenta o famoso bigodinho.











Parabéns ao nosso colaborador Marcos, por externar mais esta faceta da reverência à FEB.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

66 ANOS DA TOMADA DE MONTE CASTELLO

Hoje, 66 anos após a tomada de Monte Castello, cabe deixar aqui uma lembrança a todos aqueles que tombaram no sopé desta elevação que, por meses, ficou intalada na garganta dos brasileiros.

É uma pena que durante estas comemorações, ano após ano, vemos menos pracinhas presentes. Infelizmente é a caminhada natural da vida. Tivemos hoje, na Divisão Mascarenhas de Moraes, na Vila Militar do Rio de Janeiro, a presença de cerca de uma dezena deles.

Vamos a um breve relato do último ataque, segundo a Wikipedia.

"Novamente a ofensiva batizada de Encore, ou Bis, utilizaria a formação brasileira para a conquista do Monte e a consequente expulsão dos alemães. Desta vez a tática utilizada, seria a mesma idealizada por Mascarenha de Moraes em 19 de Novembro.Assim, em 20 de Fevereiro as tropas da Força Expedicionária Brasileira apresentaram-se em posição de combate, com seus três regimentos prontos para partir rumo a Castelo. À esquerda do grupamento verde-amarelo, avançaria a 10ª Divisão de Montanha dos Estados Unidos, tropa de elite, que tinha como responsabilidade tomar o Monte della Torracia e garantir, dessa forma, a proteção do flanco mais vulnerável do setor.

O ataque começou às 6 horas da manhã, o Batalhão Uzeda seguiu pela direita, o Batalhão Franklin na direção frontal ao Monte e o Batalhão Sizeno Sarmento aguardava, nas posições privilegiadas que alcançara durante a noite, o momento de juntar-se aos outros dois batalhões. Conforme descrito no plano Encore, os brasileiros deveriam chegar ao topo do Monte Castelo às 18 horas, no máximo - uma hora depois do Monte della Torracia ser conquistado pela 10ª Divisão de Montanha, evento programado para as 17 horas. O 4º Corpo estava certo de que o Castelo não seria tomado antes que Della Torracia também o fosse.

Entretanto, às 17h30, quando os primeiros soldados do Batalhão Franklin do 1º Regimento conquistaram o cume do Monte Castelo, os americanos ainda não haviam vencido a resistência alemã. Só o fariam noite adentro, quando os pracinhas há muito já haviam completado sua missão, e começavam a tomar posição nas trincheiras e casamatas recém-conquistadas. Grande parte do sucesso da ofensiva foi creditada à Artilharia Divisionária, comandada pelo General Cordeiro de Farias, que entre 16h e 17h do dia 22, efetuou um fogo de barragem perfeito contra o cume do Monte Castelo, permitindo a movimentação das tropas brasileira."

Vamos ver novamente uma foto atual do Monte, tirada em novembro próximo passado.



Parabéns ao Regimento Sampaio pela conquista. Parabéns a FEB. Parabéns ao Brasil.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

FEB INSPIRA COLECIONADOR A MONTAR UMA FIGURA DE FEBIANO

Estas figuras são bem conhecidas de colecionadores mundo afora. Conhecemos diversas figuras na escala 1/6, que denotam soldados de famosas Divisões americanas, soldados da Wehrmacht, Força Aérea, japoneses, etc.

Porém, aqui no Brasil, há alguns colecionadores que gostam de "customizar" algumas figuras, criando personagens inteiramente novos, para nossa alegria.

Desta vez, nosso amigo Fred Vieira montou um Segundo Sargento de Infantaria da FEB com uniforme americano. Imaginem ter uma miniatura de Soldado, Sargento, Tenente da FEB em casa!

O resultado ficou bem bacana, como podemos ver a seguir...









Agradecemos ao nosso amigo Fred por disponibilizar estas imagens.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

IKE JACKET AMERICANA 5º EXÉRCITO

Este uniforme pertence a um amigo e colecionador. É o americano modelo de passeio. Note-se no ombro esquerdo o distintivo do 5º Exército, o mesmo usado pelos nossos pracinhas, porém este da foto tem fabricação americana.

Esta jaqueta é interessante para compararmos com as jaquetas de brim de de lã da FEB do final da guerra. Como os uniformes da FEB eram meio "tronchos", os pracinhas resolveram mudar o corte das jaquetas e das blusas de brim para um padrão parecido com esta jaqueta mostrada aqui. Assim eles poderiam passear durante as folgas com um uniforme que pelo menos de longe era parecido com o americano, ficando mais "apresentável".





Mais uma vez obrigado ao nosso amigo Ivan Hudes pelas fotos.

sábado, 5 de fevereiro de 2011

MONUMENTO AOS MORTOS DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

Perto de completar um ano no ar, acreditamos que o que mostraremos a seguir fazia falta neste espaço. O acervo do Monumento aos Mortos da Segunda Guerra Mundial.

Já colocamos uma matéria aqui com o histórico deste espaço, mas, em linhas gerais, este foi o local escolhido como Mausoléu dos Mortos das Forças Armadas durante a Segunda Guerra Mundial. O translado ocorreu de Pistóia para o Rio de Janeiro em 1960.

Para quem gosta do assunto, pode visitar de terça a domingo, das 10 às 16 horas.

Seguem as fotos:

Primeiro uma imagem de fora



Ainda na parte de fora, um inteiríssimo canhão 88 mm alemão, terror dos aliados.



Agora, já dentro do museu (que está em reforma, vai ficar bastante interessante), uma jaqueta de lã de segundo sargento



Uma capa de chuva



Bibico de inverno e perneiras



Bibico de lã, cinto e coldre



Bolsa porta-mapas



Alguns manuais



Utensílios diversos



Jaqueta de brim



Kit higiene



Jaqueta de brim, modelo de embarque do primeiro escalão



Chapéu Zé Carioca



Bastão de Comando do Marechal Mascarenhas



Capacete alemão perfurado e mina anti-carro



Por fim, duas fotos da peça mais inusitada do Monumento





A parte de baixo do Monumento, que é onde ficam os restos mortais, está em reforma, assim não podemos entrar. Poré, a parte de cima está bem bacana, com as peças bem conservadas.

Os dois únicos senões são:
- as fitas das medalhas brasileiras estão desbotadas, pois provavelmente ficaram sob sol por muito tempo;
- pelo menos duas medalhas alemãs são falsas. Mas isso é comum nos museus da FEB aqui no Brasil. (não que isso seja comum, mas acontece).

Vale a pena uma visita.

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

CORONEL AGUINALDO CAIADO DE CASTRO - COMANDANTE DO 1 RI EXPEDICIONÁRIO

As fotos mostradas a seguir foram tiradas em 2006. O espaço cultural do Regimento Sampaio passou, após isso, por uma reforma, estando agora melhor apresentado.

Antes de mostrar as peças, segue um breve histórico do Marechal Caiado de Castro

Primeiros anos

Cursou o Colégio Militar do Rio de Janeiro, assentando praça em 1917. Em outubro de 1922 já havia sido promovido a primeiro-tenente. Entre 1924 e 1927, participou do combate aos movimentos tenentistas. Ao eclodir a revolta, em 5 de julho de 1924, foi preso pelos rebeldes. Ao recuperar a liberdade, ajudou a combater o movimento.

Entre junho e novembro de 1925, participou da repressão à Coluna Prestes. Participando da perseguição à coluna na Bahia, sob o comando do então capitão Góis Monteiro, foi promovido a capitão por bravura em outubro de 1926.

De 1927 a 1930, serviu na Diretoria de Aviação Militar, no Rio de Janeiro. Transferido para Caçapava, São Paulo, em 1932, aderiu à Revolução Constitucionalista deflagrada nesse Estado. Derrotado o movimento, foi reformado administrativamente, passando a cursar direito, diplomando-se na Faculdade de Direito de Niterói.

Retomada da carreira militar

Voltou ao Exército com a anistia ocorrida em janeiro de 1934, sendo promovido a major em maio de 1936. Esteve envolvido no episódio do Plano Cohen, que seria utilizado na preparação do golpe do Estado Novo, havendo versões conflitantes sobre sua atuação.

Em setembro de 1944, integrou a Força Expedicionária Brasileira que combateu na Itália, comandando um regimento na Batalha de Monte Castello. Com o fim da Segunda Guerra Mundial, apoiou o general Góis Monteiro no movimento que veio a depor Getúlio Vargas, em outubro de 1945.

Ligação com Getúlio Vargas

Já como general-de-brigada, foi nomeado, em abril de 1952, chefe do Gabinete Militar da Presidência da República, onde permaneceu até a morte de Getúlio Vargas, em 24 de agosto de 1954.

Participou da apuração das responsabilidades sobre a morte do major-aviador Rubens Vaz, no atentado da Rua Toneleros. Com a confissão de Gregório Fortunato e o aumento da tensão, aconselhou Getúlio Vargas a dissolver sua guarda pessoal e se licenciar por um ou dois meses. Devido aos boatos de renúncia, escreveu a nota à imprensa na noite de 22 de agosto, informando que o presidente pretendia completar o mandato, contando com o apoio das forças armadas.

Informado da pressão de generais pela renúncia de Vargas, exigiu que o presidente mantivesse seu mandato. O suicídio do presidente lhe trouxe forte abalo emocional e distúrbios de saúde. Foi, ainda assim, o porta-voz da família de Vargas na comunicação ao novo presidente, João Café Filho, do desejo da família de que não fossem prestadas homenagens fúnebres pelo governo, agora identificado com a oposição.

Atuação como senador

Em outubro de 1954 concorreu a uma vaga para o Senado pelo Distrito Federal, na legenda do PTB. Mesmo sem tradição política, foi eleito devido à grande ligação com Vargas, cumprindo integralmente seu mandato até janeiro de 1963.

Nas eleições presidenciais de 1955, foi contra a orientação de seu partido de apoiar a chapa Juscelino Kubitschek-João Goulart, preferindo apoiar a chapa derrotada, Ademar de Barros-Danton Coelho.

Votou favoravelmente ao impedimento de Café Filho, em 27 de novembro de 1955, que pretendia retornar ao cargo de presidente da República, do qual havia se licenciado. O impedimento aprovado pelo Congresso manteve Nereu Ramos no cargo, garantindo a posse de Juscelino Kubitschek.

Em dezembro de 1958, foi promovido a general-de-exército e transferido para a reserva, condição na qual foi elevado a marechal.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Aguinaldo_Caiado_de_Castro







Por fim, apesar de não ser peça relativa à FEB, esta merece destaque:
a espada de combate do Brigadeiro Antonio de Sampaio, patrono da arma de infantaria, General Comandante da Divisão Couraçada na Guerra do Paraguai.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

MUSEU MARECHAL MASCARENHAS DE MORAIS - 1 DIVISÃO DE EXÉRCITO

Com grata surpresa que mostramos, a seguir, as peças que pertenceram ao Marechal João Baptista Mascarenhas de Moreis, Comandante da FEB na Itália.

As peças mostradas aqui estão expostas numa sala exclusiva, mas pode ter visitação do público nos horários de expediente, entre as 0800 às 1630 nos dias de semana.

Primeiramente uma bela pintura a óleo, medindo mais de dois metros de altura



Um banner da FEB, com as principais campanhas



A espada de General, utilizada por ele na cerimonia de coroação da Rainha Elizabeth II.





A pasta de alterações



Flâmula utilizada nos PC da FEB





O gigante barrete do Marechal



A cobrinha de desfile, modelo pós 1949



Alguns diplomas e medalhas



Algumas Ordens estrangeiras



Estas peças guardadas pelo Exército encerram uma dúvida que tínhamos acerca do paradeiro das mesmas, pois é sabido que parte delas está hoje em dia na Itália. Este é o destino da nossa história....

Quem quiser visitar, é só dar um pulo na Vila Militar de Deodoro, no Rio de Janeiro. Av Duque de Caxias, n 1965.