COMPRO MATERIAL DA FEB: JULIOZARY1997@GMAIL.COM

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

IPHAN DEVERÁ TOMBAR O MONUMENTO AOS MORTOS

Monumento aos Pracinhas deverá ser tombado pelo Iphan

Por Redação. - 14:31:00 -

O monumento que fica no Parque do Flamengo poderá ser tombado pelo Iphan após a reunião dos dias 4 e 5 de novembro
Rio de Janeiro (Agência Rio) - O Monumento aos Mortos da Segunda Guerra Mundial, localizado no Parque do Flamengo, no Rio de Janeiro, deverá ser tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A reunião que irá analisar o pedido de tombamento do monumento acontece entre os dias 4 e 5 de novembro. O próprio Parque do Flamengo já é tombado pelo Iphan.
Conhecido como Monumento aos Pracinhas, foi construído entre 1957 e 1960 e projetado pelos arquitetos Marcos Konder Netto e Hélio Ribas. O conjunto é integrado por três obras: uma escultura de metal homenageando a força aérea brasileira, outra em granito que homenageia os pracinhas das três armas e um painel de azulejos destacando os combatentes e os civis que morreram em operações navais. Junto ao monumento, localiza-se um museu composto por objetos e equipamentos usados pela Força Expedicionária Brasileira e outros apreendidos de soldados alemães.
Simbolicamente, o Monumento aos Mortos da II Guerra Mundial, estiliza duas palmeiras amparando mãos que levam até o céu nossos pracinhas mortos em combate, cujos 468 túmulos se localizam no subsolo. A plataforma elevada, que atinge trinta e um metros de altura empregou, pela primeira vez no país, concreto aparente.
A Força Expedicionária Brasileira, conhecida como FEB, foi constituída por 25.334 soldados das três armas que lutaram ao lado dos aliados, na Itália, e tinha como lema a expressão "A cobra está fumando", uma alusão ao que se dizia, à época, que seria "mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil entrar na guerra".
A reunião do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural será nos próximos dias 4 e 5 novembro, no Salão Portinari, que fica no Palácio Gustavo Capanema, sede do Iphan no Rio de Janeiro. O Conselho que avalia os processos de tombamento e registro, presidido pelo presidente do Iphan, Luiz Fernando de Almeida, é formado por especialistas de diversas áreas, como cultura, turismo, arquitetura e arqueologia. Ao todo, são 22 conselheiros de instituições como Ministério do Turismo, Instituto dos Arquitetos do Brasil, Sociedade de Arqueologia Brasileira, Ministério da Educação, Sociedade Brasileira de Antropologia e Instituto Brasileiro de Museus – Ibram e da sociedade civil.
Fonte: oreporter.com


Fonte: montedo.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário